Portal da Cidade Guaxupé

Cpi dos Trevos

“O cidadão não pode ter prejuízo”, diz empresário à CPI da Iluminação dos Trevos

Juscelino Ferraz de Araújo foi a testemunha ouvida nesta quarta-feira (30) pela CPI. Segundo ele, valor pago pelo sistema foi o dobro do necessário.

Postado em 30/10/2019 às 20:53 |

Juscelino afirmou à CPI que instalação de sistema fotovoltaico poderia ter sido realizado pela metade do preço. (Foto: Carol Negrão)

Após término das perguntas da CPI, Jorginho questionou engenheiro sobre produção de 30% da energia consumida nos trevos. (Foto: Carol Negrão)

CPI realiza segunda oitiva na tarde desta quarta-feira (30). (Foto: Carol Negrão)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura suspeita de irregularidades na instalação do sistema de energia fotovoltaica dos trevos de Guaxupé ouviu a segunda testemunha nesta quarta-feira (30). Dessa vez o engenheiro elétrico Juscelino Ferraz de Araújo respondeu às perguntas feitas pelos vereadores Donizetti Luciano dos Santos (presidente da CPI), Paulinho Beltrão (relator) e Ari Cardoso (membro). A oitiva foi acompanhada pelo autor do pedido de CPI, o vereador Jorge Batista Bento da Paz.

Saiba mais:

Em menos de meia hora a comissão questionou o engenheiro, que é dono da empresa RA Energia Solar sobre a possibilidade de prejuízo ao município. Segundo Araújo, a instalação dos postes com iluminação de LED e do sistema de geração de energia fotovoltaica seria de até R$900 mil. A prefeitura pagou R$1,9 milhão pelo mesmo serviço a empresa Ricel Instalação Elétrica LTDA há cinco anos.

A empresa de Juscelino não participou da licitação para a instalação do sistema fotovoltaico dos três trevos de acesso ao município na época. “ Minha empresa não participou porque ela é nova e o edital impedia que a minha empresa participasse”, explicou o empresário à comissão.

Juscelino foi questionado pela comissão sobre as razões pelas quais procurou um dos membros da CPI para falar sobre possibilidade de superfaturamento do serviço. “Sou cidadão e acredito que o país precisa ter nos políticos e o cidadão não pode ter prejuízo”, justificou.

Juscelino afirmou à CPI que estranhou o valor pago pelo serviço, e ofereceu-se para atualizar os valores de orçamento e enviar para os membros da comissão. “Seria entre R$900 mil e R$1 milhão. O valor das placas fotovoltaicas teve uma queda nestes cinco anos”, explicou aos vereadores.

Ao ser questionado sobre a produção de apenas 30% de energia pelo sistema fotovoltaico, o engenheiro disse desconhecer a informação. “ Não tenho informações sobre essas medições, mas poderia fazer”. A integração do sistema fotovoltaico dos trevos com a rede da Cemig é de responsabilidade da empresa vencedora da CPI, conforme previsto no edital de licitação.

O sistema de energia fotovoltaico dos trevos foi instalado há cinco anos. Na época o sistema foi apontado como inovador e que geraria economia à prefeitura, uma vez que a energia elétrica produzida a mais pelo sistema seria utilizada para abater na conta de luz de outros prédios públicos.

Na semana que vem a CPI vai ouvir representante da empresa Ricel Instalação Elétrica LTDA, responsável pela instalação do sistema.

O Portal da Cidade está à disposição da prefeitura caso o município deseje comentar o depoimento do engenheiro elétrico.

Receba as notícias através do grupo oficial do Portal da Cidade Guaxupé no seu WhatsApp. Não se preocupe, somente nosso número conseguirá fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequados. 📲 Participe clicando neste link.👈


Fonte:

Deixe seu comentário